友情链接: 澳门威尼斯人娱乐平台 线上真人百家乐 澳门威尼斯人备用网址 威尼斯人娱乐 澳门威尼斯人官方网站 威尼斯人娱乐网站在线注册 威尼斯人网站 澳门威尼斯人官方网投地址 百家乐官方注册 威尼斯人正网 威尼斯人娱乐场官网 澳门威尼斯人会员注册 威尼斯人娱乐场注册 威尼斯人注册官网 百家乐娱乐场网站 澳门威尼斯人在线游戏 线上百家乐游戏 网上百家乐注册 百家乐手机网站 澳门百家乐官网 澳门威尼斯人娱乐场 威尼斯人网投 澳门百家乐赌博网站 威尼斯人手机网站 线上威尼斯人游戏 威尼斯人娱乐棋牌 正规赌博网站 威尼斯人线上娱乐 百家乐真人视讯 澳门威尼斯人赌城网站 澳门威尼斯人游戏 威尼斯人娱乐场网址 澳门威尼斯人注册 澳门威尼斯人真人赌场 澳门百家乐网站 澳门百家乐手机网站 澳门百家乐官网注册 澳门威尼斯人轮盘 澳门威尼斯人赌场网站 澳门威尼斯人线上娱乐 威尼斯人网址注册 百家乐网站 澳门百家乐备用网址 威尼斯人赌博平台 百家乐技巧网站 澳门百家乐正规官网 威尼斯人代理 威尼斯人线上赌博平台 百家乐手机注册 澳门正规网络博彩公司 澳门威尼斯人游戏官网 澳门威尼斯人线路检测 澳门威尼斯人角子机 澳门威尼斯人代理 澳门威尼斯人官方网投 威尼斯人官方平台 百家乐娱乐平台 澳门百家乐平台注册 威尼斯人会员注册 澳门威尼斯人博彩 百家乐正规官网 澳门威尼斯人官方注册 澳门百家乐真人视讯 威尼斯人百家乐网站 大香蕉成人网 香港六合资料

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/storage/0/2e/be/apecs/public_html/index.php:80) in /home/storage/0/2e/be/apecs/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 658

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/storage/0/2e/be/apecs/public_html/index.php:80) in /home/storage/0/2e/be/apecs/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 658
Notícias Apecs

Saneamento é a lição de casa dos prefeitos

Luiz Roberto Gravina Pladevall (*)

O ano de 2017 contempla o 10º aniversário da Lei do Saneamento Básico (Lei nº 11.445/07), um marco regulatório essencial para o desenvolvimento do setor no país por meio do Plansab (Plano Nacional de Saneamento Básico). Nele, ficou estabelecido que os municípios deveriam produzir seus próprios planos com o objetivo de universalizar os serviços de abastecimento de água e saneamento até 2033.

Um estudo recente aponta que após dez anos da entrada em vigor dessa lei, apenas 30,4% das cidades brasileiras criaram seus planos municipais de saneamento básico. A pesquisa produzida pelo Instituto Trata Brasil, com dados da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, órgão do Ministério das Cidades, revela que das 5.570 cidades do território brasileiro, somente 1.692 (30,4%) confirmaram a elaboração de seus planos. A boa notícia vem de 37,5% dos municípios que declararam que estão produzindo o documento. Por outro lado, não há qualquer informação sobre 29,9% das localidades e outros 2% estão com dados inconsistentes.

O levantamento mostra ainda estados com maior número de municípios com planos já elaborados. São eles: Santa Catarina (86%), São Paulo (64%) e Rio Grande do Sul (54%). Mas, em 15 estados, menos de 20% das cidades elaboraram o documento. E os piores indicadores estão concentrados na região Norte brasileira.

O plano municipal é essencial para o desenvolvimento da infraestrutura em saneamento, capaz de reduzir as desigualdades sociais e melhorar as condições de saúde da população. Sem o plano, a cidade pode perder o acesso aos recursos federais de saneamento a partir de 2018. Defendemos que isso não ocorra de forma automática sem uma saída planejada para o problema. Este prazo já foi prorrogado anteriormente e simplesmente dar mais prazo aos municípios não é solução.

Entendemos que a maioria dos municípios brasileiros não tem condições para produzir o próprio plano. Entre as dificuldades, 80% dessas localidades não contam inclusive com um profissional de Engenharia para orientar a elaboração do plano. Por isso, defendemos que o Governo Federal ofereça um apoio técnico para a elaboração dos planos municipais para essas localidades. Uma sugestão é ter, em todas as dotações para programas na área, uma rubrica contendo prazo e recursos para “Consultoria”. O procedimento é usual em países desenvolvidos, que primam pela qualidade e eficiência de um empreendimento.

A expansão da profissionalização do setor vai impactar diretamente no desenvolvimento municipal, garantindo a separação do planejamento da execução do projeto. Isso permite aos agentes municipais a realização de empreendimentos públicos que atendam às necessidades da população, criando responsabilidades distintas para cada fase do empreendimento.

Os atrasos nos projetos essenciais de infraestrutura refletem no desenvolvimento nacional e na qualidade de vida da população. A perdas com a falta de saneamento vão dos impactos diretos na saúde dos moradores de regiões sem acesso aos serviços básicos de abastecimento de água e saneamento, desvalorização imobiliária, turismo e até ao encarecimento da mão de obra por baixa produtividade.

Os prefeitos precisam se engajar nessa causa, e contribuir para desatar o nó que impede a aceleração dos projetos de infraestrutura em saneamento nos municípios brasileiros. O primeiro passo é assumir compromissos com a própria população, e trabalhar para que a universalização do saneamento se torne uma realidade de Norte a Sul do território brasileiro.

(*) Luiz Roberto Gravina Pladevall é presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).

Sem planejamento, caminhamos para o passado

Luiz Roberto Gravina Pladevall (*)

O Brasil é um país que caminha para o passado. As políticas públicas não conseguem atender às crescentes demandas essenciais da população. A universalização dos serviços de saneamento básico e o abastecimento de água potável é um dos exemplos que relegamos a segundo plano, enquanto os problemas se multiplicam em todos os estados brasileiros.

Informações Clipping

 

Confira o clipping das notícias da Apecs.

Basta digitar www.mjournal.net.br/apecs 

 

Contato

Rua Rego Freitas,289- 6º Andar Sala 61 Vila Buarque CEP:01220-010:
apecs@apecs.com.br
  +11 3221 5554
  +11 3333 4327
  São Paulo - SP